Conteúdos

Ensino Médio Integral no Ceará:
a experiência de uma jovem estudante

No final de junho, o governo do Ceará anunciou uma grande expansão do Ensino Médio Integral (EMI) em mais 46 escolas distribuídas em 37 municípios. A partir de agosto deste ano, 50% das escolas públicas estaduais oferecerão a educação integral no Ceará.

Mas qual é o impacto dessa ampliação de oferta de educação integral na vida dos estudantes cearenses?

Com essa pergunta em mente, conversamos com a Damillys Kelly, estudante egressa da Escola Estadual em Tempo Integral Lions Jangada, instituição pioneira em EMI na comunidade onde ela mora em Fortaleza/CE. Através dos depoimentos dela, conheça os principais diferenciais da educação integral . 

Construção do Projeto de Vida 

Um dos pilares da educação integral é a construção do Projeto de Vida. O estudante é convidado a refletir sobre os seus sonhos, onde almeja chegar, quem ele é hoje e quem pretende ser na sua vida pessoal e profissional.

Damillys é a primeira pessoa em sua família a ingressar em uma universidade pública. Atualmente, ela é estudante de administração na Universidade Federal do Ceará, monitora de matemática no programa Mais Educação e empreendedora com uma marca de jóias em prata idealizada por ela e sua companheira. As conquistas que ela tem hoje, com apenas 19 anos, foram sonhadas ainda no Ensino Médio Integral: “Lá todos os sonhos são únicos, e todos são incríveis, e todos podem se tornar realidade. Então, o ambiente escolar é de muito acolhimento para você, para suas crenças, para os seus sonhos, para a sua vida. As metas que eu tinha naquela época são as metas que eu estou conseguindo alcançar hoje”, contou a estudante, que também reconhece que deve continuar se desenvolvendo ao longo de toda a vida. 

Conexão com professores e colegas

Mais tempo de qualidade na escola promove mais interações e trocas profundas entre estudantes e professores. Um aprendizado diário de convivência com o outro e com as diferenças. “Quando eu entrei na escola de tempo integral,  percebi que ali era um novo mundo. É um mundo de aprendizado e de conexões. Lá você consegue criar realmente um vínculo afetivo com os gestores, com os professores, com os alunos e seus colegas, porque passa o dia inteiro com aquelas pessoas, então, você tem que aprender a conviver mesmo. Você tem que aprender a lidar com o outro. Tem momentos que são realmente incríveis”, contou Damillys.  

Desenvolvimento das competências socioemocionais para o século XXI

A Educação Integral tem um currículo orientado para o desenvolvimento pessoal e social do estudante, além do desenvolvimento das competências cognitivas. Na escola de Damillys há a disciplina Núcleo de Trabalho, Pesquisa e Práticas Sociais (NTPPS) e o contato com essas aulas provocou uma mudança interna muito importante para ela, contribuindo para tornar-se uma pessoa mais solidária, tolerante, autônoma e protagonista de suas escolhas. 

Ela nos contou mais detalhes da disciplina, “o Núcleo (NTPPS) é uma disciplina que trabalhava as competências socioemocionais. Era uma das disciplinas que eu mais amava. Os dias desta disciplina eram sagrados, porque ali a gente aprendia a se conectar com o outro. Para mim, foi um marco diferencial do tempo integral, porque até então eu nunca tinha ido para um ambiente escolar para falar com o colega, para falar o que eu sentia, para me colocar como pessoa, para me descobrir junto às pessoas que estavam ali na minha turma. (…) É uma disciplina que te conecta consigo e te conecta com o outro, que te conecta com a sua comunidade, com o teu meio escolar, com a sua família. Para quem consegue viver o NTPPS é uma experiência mágica. É incrível a maneira como somos tocados.”

Formação diversificada 

O Ensino Médio Integral integra o currículo alinhado à Base Nacional Comum Curricular com a Parte de Formação Diversificada – que inclui o Projeto de Vida, as disciplinas Eletivas, os Clubes, a Tutoria com os professores, entre outras vivências.

Na sua escola, todas as disciplinas eletivas eram votadas. Ela aproveitou muito essa oportunidade, cursou Eletivas de Matemática Financeira, Estudos da Economia, Música, Teatro e Dança. Já os clubes eram formados pelos próprios estudantes, eles se reuniam, criavam e trabalhavam juntos mobilizados em um projeto comum. “Era um processo realmente de muita autonomia”, segundo a estudante. 

“A distribuição das disciplinas, as eletivas, os clubes dão muita autonomia para o aluno. Eu particularmente sou fã da escola de tempo integral.”, compartilhou Damillys. 

Veja aqui um trecho da nossa conversa sobre o Ensino Médio Integral:

O Ensino Médio Integral no Ceará e o apoio do Instituto Natura 

O Instituto Natura apoia a implementação e expansão dessa política pública do Ceará desde 2015. O Ensino Médio Integral que acreditamos tem a proposta pedagógica baseada na ampliação da jornada escolar para que seja possível a formação integral do estudante com um currículo que abrange as dimensões emocional, cognitiva e cidadã.


Por todo o país, os alunos de Ensino Médio Integral obtiveram resultados de aprendizagem superiores aos alunos das escolas parciais. No IDEB 2019 (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), a nota média das escolas de tempo parcial no Ceará foi 4,0, enquanto que a nota média das escolas integrais foi 4,5. Além disso, as escolas integrais desse estado possuem menor taxa de abandono e reprovação. Segundo a análise do Instituto Natura com base no Censo Escolar 2020, o Ceará é o terceiro estado do Brasil com mais escolas de Ensino Médio Integral, acompanhando mais quatro estados nesse ranking que também são do nordeste.